Organograma

Santa Casa da Misericórdia da Amadora

Corpos Gerentes

Os corpos gerentes da Irmandade da Santa Casa da Misericórdia da Amadora são a Assembleia-geral, a Mesa Administrativa e o Definitório (Conselho Fiscal), que são eleitos por períodos de quatro anos civis.

Actualmente (Quadriénio 2016/2019) os Corpos Gerentes da Misericórdia da Amadora são constituídos por:

MESA ASSEMBLEIA GERAL
• Carla Câmara - Presidente
• António Neves
• Maria Leonor Matos

MESA ADMINISTRATIVA
• Constantino Fragoso Pinto - Provedor
• Luís Brízida
• João Vieira
• Joaquim Franco
• Isabel Rodrigues
• Nuno Côrte-Real
• Nuno Arroja

DEFINITÓRIO (Conselho Fiscal)
• Carlos Sampaio - Presidente
• João Pagou
• Augusto Vieira


Situação Actual

O ano de 2015 foi de novo um ano marcante para a nossa Instituição. Apesar dos piores cenários, marcados por uma crise económica e financeira, conseguimos manter o equilíbrio e a sustentabilidade da nossa instituição. Sentimos as dificuldades vividas pelas famílias dos nossos utentes/clientes, bem como dos nossos parceiros, principalmente o parceiro Estado.

Em 2015, a Santa Casa da misericórdia da Amadora foi capaz de lançar e concretizar, com sucesso, um variado número de iniciativas e projetos. Podemos destacar entre outros a Unidade de Apoio ao Cuidador, o Campus Social e a loja de jogos Sociais “ Moinho da sorte”. Para além destes projetos dinamizámos um conjunto de iniciativas nas nossas várias áreas de intervenção. A Formação, a qualidade, o investimento sustentável foram algumas das principais preocupações da nossa Instituição em 2015.

Numa lógica de melhoria continua, prosseguiu o investimento no reforço das competências dos trabalhadores que se materializou numa taxa de cobertura de formação bastante elevada. Valorizou-se a importância da Comunicação, tanto interna como externa, enquanto importante instrumento que se demonstra determinante para o desenvolvimento da atividade e para que seja reconhecida.

Continuamos empenhados em contribuir para a promoção de uma sociedade mais justa e equilibrada, em reanimar a solidariedade nas relações entre os cidadãos, contando para tal com o empenho e dedicação dos nossos colaboradores, mas, também, com a boa vontade de todos os voluntários que connosco partilham o seu tempo em prol do bem comum.